sexta-feira, março 24, 2017

Os insustentáveis

2,1%. Com este número, Mário Centeno calou os analistas e comentadores que se dedicam a maldizer sem fundamentarem as suas opiniões.
Calou também a oposição de diteita, que nem com o maior aumento de impostos da história de Portugal e o maior corte de salários e pensões de que há memória conseguiu reduzir o deficit  abaixo de 3% do PIB.
Isolados nas suas catastróficas previsões e sem o apoio do Diabo que invocaram para atingirem os funestos desígnios, que outros não têm, os porta-vozes do PSD e do CDS tentam impor agora uma narrativa que reflete a própria má consciência: como usaram e abusaram de truques e maquilhagem de números quando estiveram no governo, acusam o actual de fazer o mesmo, ao dizerem que este deficit foi conseguido à custa de medidas insustentáveis, embora a má-fé os impeça de as identificar.

Eles e as suas medidas é que foram  insustentáveis e insuportáveis para os portugueses.

terça-feira, março 21, 2017

De mal a pior

Não se pode gastar o dinheiro em copos e mulheres e logo depois pedir ajuda"

Jeroen Dijsselbloem, ministro das finanças da Holanda que preside ao Eurogrupo, saiu-se com esta alarvidade, atacando os países do sul da Europa.

Acaba de ser derrotado nas eleições do seu país e está certamente afectado pela azia, mas há muito que devia ter sido afastado do Eurogrupo. 

Ele o seu mentor Wolfgang Schäuble, são os principais responsáveis da crise do Euro e do crescente descrédito dos cidadãos na Comunidade Europeia.

domingo, março 19, 2017

Um país adormecido

A relação promíscua entre a investigação criminal e alguns jornais e televisões é tão saudável para a democracia como o cianeto de potássio para a vida humana.
Quando a presunção de inocência dos cidadãos é sistemática e descaradamente postergada, o estado de direito é letra morta. Acordem!

sexta-feira, março 17, 2017

Schäuble, o obcecado

O ministro das finanças da Alemanha é obcecado por resgates, nos outros países... 
De facto, os resgates de outros países europeus revelaram-se proveitosos para a Alemanha: enquanto os países sob resgate pagavam taxas elevadas sobre os empréstimos aos bancos alemães, a Alemanha financiava-se a taxas negativas.
Não admira, pois, que a propósito de tudo e de nada o senhor Schäuble agite o espantalho do resgate a Portugal, numa tentativa descarada de incentivar a desconfiança dos mercados no nosso país.
Há quem atribua esta paranóia schaubliana ao facto de Portugal ter um governo de esquerda, algo que parece provocar pesadelos a muita gente na direita europeia.
Habituem-se!

quarta-feira, março 15, 2017

"Assunção, por favor, vai ao teu email e dá o OK"

A fazer fé no que diz Assunção Cristas, foi assim que Maria Luís Albuquerque pediu à actual líder do CDS, então Ministra da Agricultura e do Mar, para se "pronunciar" sobre a resolução do BES.
Só gente incompetente não previa que a "solução" encontrada para o BES seria um cataclismo financeiro cujas consequências ainda hoje estão longe de ser ultrapassadas. 

Saber-se entretanto que "o assunto BES nunca foi discutido em Conselho de Ministros com profundidade", usando as palavras desta proeminente ministra desse governo, é chocante e não deixa margem para voltar a confiar naqueles que governaram Portugal entre 2011 e 2015.
   
É certo que ainda está para vir um governo de direita que se mostre merecedor da confiança que o guindou ao poder e o último não fugiu à regra. Pelo contrário, não há semana que não venha a lume mais uma revelação das manobras silenciadas pela "asfixia antidemocrática" imposta  por Passos e Portas durante quatro anos, com o beneplácito militante de Cavaco Silva.  

segunda-feira, março 13, 2017

Acho bem!

Agora, que se dá como certa a utilização da Base Aérea do Montijo como segundo aeroporto de Lisboa (e Rui Moreira não perdeu a oportunidade de logo reivindicar o alargamento do aeroporto do Porto), acho muito bem que a região centro reivindique a utilização da Base Aérea de Monte Real pela aviação civil.
Coimbra, Leiria, Alcobaça  e  Nazaré, a Serra da Estrela, Fátima e a Cova da Beira agradecem.

O coração do país precisa de um aeroporto.

sexta-feira, março 10, 2017

O Ano de Marcelo

Exceptuando as lideranças partidárias, que convivem mal com a constituição da República e a violam sistematicamente quando estão no poder, a generalidade do país revê-se no clima de paz social e de estabilidade que até internacionalmente é reconhecido.

Para tal muito tem contribuído a pro-activa actuação do actual presidente da república que, ao contrário do seu antecessor, soube pôr o interesse do país acima do interesse mesquinho do seu grupo ideológico.

Claro que as lideranças partidárias, que tinham em Cavaco Silva um aliado incondicional, estranham e criticam o comportamento de Marcelo Rebelo de Sousa, em quem votaram na esperança de que ele antecipasse as  eleições e desmantelasse a aliança parlamentar que suporta o governo.

Se o presidente sacrificasse a estabilidade para lhes fazer a vontade, ficariam contentes, mas o país seria prejudicado, algo que parece ser irrelevante para a actual liderança do PSD que se guia por uma estratégia de terra queimada. 

Na franja direita do PS continua a haver quem queira  tratar esta gente com paninhos quentes, mas tal estratégia ainda recentemente provou ser suicida: lembram-se da "abstenção violenta"?...


quarta-feira, março 08, 2017

Dia da Mulher


No Dia Internacional Da Mulher

segunda-feira, março 06, 2017

Resquícios do cavaquismo

Carlos Costa está para o Banco de Portugal como Cavaco Silva estava para a presidência da República: ambos foram escandalosos erros de casting, que acabaram os incompetentes mandatos  com o país a desejar esquecê-los rapidamente.
Nem um nem outro serviram o país. Quais funcionários manhosos, um e outro usaram disfarces burocráticos para protegerem os interesses das facções a que pertenciam, sem atenderem aos superiores interesses do país.
Querem exemplos?
O "solução" encontrada para a crise do BES deveria constar nos manuais para exemplificar o que um supervisor bancário não pode fazer se quiser evitar o descalabro do sistema financeiro. O mandato de Carlos Costa fica marcado pela crise do BES, do BCP, Banif e Caixa Geral de Depósitos. Para além do irresponsável  Passos Coelho, quem se atreverá  a afimar que este senhor tem condições para continuar à frente do Banco de Portugal?

A despudorada proteção de Cavaco Silva ao governo de Passos Coelho também vai ficar nos anais do cúmulo da  parcialidade de um Presidente da República. A impopularidade e a censura, que o acompanhou ao abandonar o cargo, refletem o juízo condenatório do país sobre a sua passagem por Belém

A recusa de Carlos Costa em se demitir é uma característica dos cavaquistas: só abandonam os cargos quando são obrigados. Está-lhes no sangue.



domingo, março 05, 2017

Onde é que eu já vi isto?

Donald Trump queixa-se de ter sido escutado a mando de Obama.
A história já foi desmentida e há quem diga que Trump lançou a atoarda para desviar as atenções das interferências da Rússia em seu favor na campanha eleitoral.
A resposta de um antigo conselheiro de Obama foi taxativa:



sexta-feira, março 03, 2017

O diabo não veio por milagre

Só pode ter sido milagre, dizem as bruxas e bruxos que predisseram o inferno, perante os bons resultados económicos e financeiros alcançados pelo governo do PS, com o apoio do Bloco de Esquerda e do PCP. 
Já vimos de (quase) tudo, mas ver supostas autoridades financeiras a justificar os seus erros de análise com milagres, em vez de reconhecerem o mérito a quem conseguiu o que eles julgavam impossível, além de manifestar incompetência,  é hipocrisia.  
Cega pelo radicalismo ideológico, a maioria dos pretensos analistas e comentadores "económicos"  da nossa praça em vez de fazer analise, limita-se a propagar as ideias da direita, cuja cartilha no que à economia respeita sabemos de cor: Baixar salários e pensões, aumentar os impostos do trabalho para baixar o IRC, liberalizar os despedimentos, privatizar até não restar mais nada público senão as pedras das calçadas, enfim, a continuação dos quatro anos de horror (2011-2015) onde só lucrou quem tinha dinheiro para mandar para os offshores.

É tempo de acabar com esta praga. Garantidamente não serve o país. 

quinta-feira, março 02, 2017

Um Trump europeu

"Un eurodiputado polaco: “Las mujeres deben ganar menos porque son más débiles y menos inteligentes”

Estúpidos há em todo lado. 
Porque havia de ser diferente no Parlamento Europeu? 

quarta-feira, março 01, 2017

Autarquias, a "pequena" corrupção


Em ano de eleições autárquicas, convém ter presente quais os partidos onde se acoitam estes meliantes.