segunda-feira, maio 19, 2014

A festa da Troika



Ao lado de Melo, estava Paulo Rangel e lá se fez o brinde, com as juras de que não se tratava de uma acção de campanha”.

Como se vê, há varias formas de "celebrar" a saída da Troika. Para o  El Pais, é o  fim de três anos que empobreceram a população  

Mas para actual coligação é uma festa.Também tinha rejubilado com a vinda da Troika. Aliás, foram eles, PSD e CDS, que comandaram o ataque ao governo do PS que acabara de obter o acordo europeu ao PEC IV, o que evitaria o resgate da Troika. 

Porém isso não agradava à direita que queria ir para o governo para cortar nas gorduras do estado. Bastava isso, diziam eles, para acalmar os mercados, reduzir o deficit e controlar a divida.
Muitos dos que votaram neles não sabiam que as gorduras do estado a que o PSD e o CDS se referiam eram afinal os ordenados dos funcionários públicos, as pensões dos reformados e o “enorme aumento de impostos” que Vítor Gaspar anunciou mal chegou ao governo…

Agora já sabem: A divida continuou a subir, o desemprego disparou e o deficit continua lá.
Só os mercados estão mais calmos, porque os bancos alemães e franceses já não têm onde sacar... 

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial