segunda-feira, janeiro 23, 2017

Dias de raiva

O direito de obedecer

Na China, parece ser o único direito. 

domingo, janeiro 22, 2017

"Veremos qué hace"

Prudente mas atento, o Papa Francisco prefere esperar para ver o que faz Donald Trump. No entanto alerta que, em momentos de crise não é o discernimento que comanda os povos: preferem apostar em salvadores que lhes devolvam a identidade com muros e arames.

A avaliar pelo discurso da posse, a hipótese de Trump acabar por surpreender o papa pela positiva seria um milagre. Ao principio também ninguém acreditava que Hitler - o exemplo mais radical do populismo - fosse capaz de fazer o que fez. 
Embora a constituição de Estados Unidos e o povo americano tenham uma tradição democrática, vamos ver como as primeiras decisões do novo presidente são avaliadas pelo Congresso e se as palmas que aplaudiram o discurso foram de mera circunstância.

sexta-feira, janeiro 20, 2017

Saiu-lhes o Euromilhões!

O povo sou eu. Ele não o disse, mas é o que se retira de um discurso com laivos de populismo, xenofobia e nacionalismo troglodita. 
Quem não sabe ficou a saber que na América não há fábricas. Mudaram-se para o México, que em contrapartida exporta droga para as escolas americanas e imigrantes ilegais que acabam no crime. 
É esta a América que Trump encontrou: um verdadeiro desastre. Nem Silicon Valley lhe vale. Mas tudo vai mudar, promete o novo presidente dos Estados Unidos. "Vamos reconstruir a América com mão de obra americana."
Assim o progresso chegará a todos os americanos, fechando as fronteiras e taxando os produtos importados para proteger a produção americana. 
Fazer da América uma torre de marfim é um projeto arriscado, mesmo para quem vive na torre Trump.

quarta-feira, janeiro 18, 2017

Haja alguém que os ponha no sítio

Desde há algum tempo, anos, deixei de acompanhar as comissões parlamentares de inquérito, que, provavelmente traindo os objectivos da sua criação, parecem tribunais populistas, achincalhando quem lhes sai na rifa. 
As tentativas de queimar Vítor  Constancio na comissão de inquérito ao BPN são um bom exemplo disso, com Nuno Melo no papel de incendiário. Deve ser de família.
Por isso é salutar haver alguém que não se atemorize e responda à letra aos deputados que se excedem, como aconteceu pela voz do ministro Centeno: "Peço desculpa por dizer, mas não faz a menor ideia do que é um banco".

Congresso de Jornalistas

Confesso que, com raras e honrosas excepções, não tenho sobre a actual geração de jornalistas uma opinião muito favorável.
Ainda assim, surpreende-me o que leio sobre o que se passou neste congresso. Para além das queixas generalizadas sobre as condições de trabalho e os baixa salários, parece que nada mais os une. A manipulação das notícias, a parcialidade do comentário político, a omnipresença do paleio futebolístico na televisão, nada disto preocupou o congresso. O convite aos patrões para encerrarem o congresso terá sido a cereja em cima do bolo, mas não deixa de ser um sintoma da doença que os afecta.



segunda-feira, janeiro 16, 2017

Tiro no pé


Lembram-se de Passos Coelho ter chamado cata-vento a Marcelo Rebelo de Sousa, cobardemente sem o nomear? Agora é o que lhe chamam os do seu partido...


domingo, janeiro 15, 2017

Passos a contrapasso

Passos Coelho, está contra. É a manchete mais frequente que se lê relativamente a iniciativas do governo. Foi contra a Caixa Geral de Depósitos que queria privatizar, agora é contra a nacionalização do Novo Banco. Foi contra o aumento do salário mínimo, agora é contra o acordo que o tronou possível.
Embora perdendo força, Passos Coelho insiste em alimentar o clima de crispação que impôs  ao país enquanto primeiro-ministro. 
Nem as declarações do presidente da república para serenar o ambiente político fazem  nele qualquer efeito.
Porém, pelo andar da carruagem, ou o líder do PSD muda, ou o PSD muda de líder. O país não pode continuar com o principal partido da oposição a contrapasso.


sexta-feira, janeiro 13, 2017

A tempestade perfeita

Se com a Rússia as coisas podem azedar, com a China já estão azedas.
A declaração do indigitado secretário de estado americano, Rex Tillerson, garantindo que os Estados Unidos não iriam permitir o acesso dos chineses a essas ilhas, teve uma reação imediata dos media oficiais chineses, que não se coibiram de ameaçar com uma guerra em larga escala.
O caminho de Trump para a Casa Branca parece um campo minado. 

quinta-feira, janeiro 12, 2017

O abraço do urso

Não vou decidir qual dos dois será o urso porque podem ser ambos. Afinal o namoro entre Trump e Putin talvez não seja por amor, nem sequer por amizade.
A hipótese de a Rússia ter matéria comprometedora sobre a vida privada de Trump, nomeadamente de cariz sexual, está ser veiculada pela BBC. A notícia refere o local (Moscow's Ritz-Carlton hotel) onde Trump terá sido apanhado, com um grupo de prostitutas, pelas câmaras que estarão montadas em todos os quartos dos hotéis de luxo de Moscovo, que visitou em 2013.
Fontes dos serviços secretos acrescentam que existem várias "video tapes" com imagens comprometedoras, algumas filmadas em São Petersburgo.

A possibilidade de o próximo presidente americano ser objeto de chantagem pelo seu "amigo" Putin está a ser encarada muito a sério, referindo também a notícia que Obama, o Congresso americano e o próprio Donald Trump já terão em seu poder documentação sobre o assunto.

Trump e Putin têm tratado estas notícias como fazendo parte de uma campanha para os desacreditar, mas a novela vai fazendo o seu caminho, aparentemente alimentada por fugas dos serviços secretos, não apenas dos países envolvidos.

Aguardam-se os próximos capítulos.



segunda-feira, janeiro 09, 2017

O que Mário Soares me ensinou

Falo por mim, mas certamente podia falar por muitos milhares, senão milhões.
As minhas primeiras referências a Mário Soares remontam às eleições marcelistas de 1969. Foi um período de relativo abrandamento da censura, que endureceria logo após o manobrado acto eleitoral. O PS ainda não tinha sido fundado e Soares concorreu com a sua Acção Socialista Portuguesa sob a sigla CEUD (Comissão Eleitoral de Unidade Democrática) que integrava alguns monárquicos e católicos de esquerda. 
As minhas preferências iam no entanto para a CDE de Tengarrinha e Pereira de Moura, o professor de  Económicas que nessa época era um ídolo da juventude académica.

Após o 25 de abril, no entanto, reparei que nem todos os antifascistas eram iguais - alguns até se julgavam "mais iguais do que outros" - e a democracia, a que até os fascistas da União Nacional subitamente aderiram, também tinha as suas nuances...

Pouco a pouco, porém, foi-se tornando claro que a matriz da democracia era a liberdade, algo que, sendo simples, é sistematicamente "esquecido": O panorama da comunicação social portuguesa e do comentário político onde não há pluralismo,  é um exemplo de como esse "esquecimento" põe em perigo a liberdade e a democracia.
Foi isto que Mário Soares me ensinou: a capacidade saber quando a liberdade corre perigo. Ninguém como ele identificou os responsáveis, denunciando-os na praça pública, alguns até do seu partido. Enquanto a vida lhe deu forças, nunca pactuou com os inimigos da liberdade. 
É esta a herança que nos deixa. 

sábado, janeiro 07, 2017

Mario Soares 1924-2017

Todos lhe devemos um pouco por não vivermos num "Portugal amordaçado".
Honremos a sua memória.

sexta-feira, janeiro 06, 2017

"Cresce, Donald. Cresce."


Muitos americanos, e não só, nunca levaram a sério o presidente eleito. Porém, como vai ser mesmo presidente, alguns começam a ficar preocupados porque, se no seu próprio país não é levado a sério, no resto do mundo também não o será.

quarta-feira, janeiro 04, 2017

O Twitter e o SMS

Se a América está a ser orientada pelos Twitters de Trump, qual seria o escândalo se a CGD fosse gerida por SMS e por e-mail?
Má língua de mafarricos.


domingo, janeiro 01, 2017

O ano de Guterres

É assim que o novo secretário-geral da ONU é visto lá fora: provavelmente o melhor entre os que o precederam naquele alto cargo. Nem mais nem menos. Motivo de orgulho para o próprio e para o seu país, com certeza, mas também um acréscimo de responsabilidade, face às expectativas.
Desejar-lhe um bom ano e muita sorte, que bem precisa.

Trump - Putin, jogos florais

Por enquanto, os elogios mútuos entre o presidente eleito dos Estados Unidos e o presidente da Rússia têm tido um único objectivo: isolar e molestar o ainda presidente Obama.
As respectivas mensagens de ano novo não fugiram deste figurino, mas está por provar se este namoro se mantém para lá de 20 de janeiro, quando deixar de fazer sentido provocar ciúmes a Obama.
Donald Trump é, de longe, a parte mais fraca neste jogo de brincar com o fogo e arrisca-se a ficar chamuscado. 
Os americanos dificilmente lhe perdoarão o desaire que constituirá o reforço da posição geo-estratégica da Rússia, objectivo indisfarçável de Putin.

Ao contrário de Trump,  que mesmo depois de eleito não saiu do registo provocatório e populista que o notabilizou, Putin tem mostrado bom senso em dossiers melindrosos, mas seria trágico para o mundo se os floreados  entre os dois acabassem como os beijos de burro.


sábado, dezembro 31, 2016

Bom 2017

quarta-feira, dezembro 28, 2016

Cristiano Ronaldo, of course

Depois de ter recebido o prémio de melhor jogador do Globe Soccer (veja o vídeo), Ronaldo já deve  saber em que lugar ficou no ranking anual dos 100 melhores futebolistas, elaborado sob o patrocínio do The Guardian.

 Em primeiro, of course, à frente  daquele prodígio argentino cujo nome não me ocorre, e de um uruguaio, que falhou o casting de "O silêncio dos inocentes" porque não há justiça. 
Siga o link acima para ver a lista dos 100 melhores.

As batatas do Canadá e a feira do gado

Quem pensava que os índios americanos só se alimentavam de bisontes vai ter de rever a história: Arquelogistas terão descoberto provas de que os índios que habitavam na costa oeste do Canadá cultivavam batatas há 3800 anos, algo que na Europa só aconteceu depois de Colombo descobrir a América. 

Se bem que nas antigas feiras de gado por vezes houvesse tiros, as negociações da concertação social também fazem vítimas e, embora o ministro não tenha comparado os negociadores a gado, houve quem reagisse assumindo isso, mas cada um é livre de escolher o barrete que lhe serve.

terça-feira, dezembro 27, 2016

Vícios depois do 25 de Abril

A "grande porca", como lhe chamou Rafael Bordalo Pinheiro, tem destas coisas. Sempre que se pretende um maior esforço em qualquer área, há sempre alguém que reclama "incentivos" do orçamento. 
O primeiro-ministro alerta para a necessidade de melhorias na educação, - 20% dos portugueses não completam qualquer grau de ensino -, logo  o  Bloco de Esquerda veio exigir mais investimento na educação. Será que mais trabalho e mais dedicação, para o BE, não é um bom investimento?
Um país que não se mexe sem um empurrão do orçamento do estado fica parado. 

segunda-feira, dezembro 26, 2016

O natal do cardeal

Desta vez o cardeal Clemente não falou dos colégios particulares. Desta vez a sua preocupação centrou-se em quem não tem "casa digna".
É uma preocupação legítima, mas seria útil que informasse quantos são os portugueses que não habitam numa "casa digna" e onde estão. 
Também não definiu a "dignidade" a que deve obedecer a casa, o que deixa espaço para variadas conjecturas.
Que estatísticas terão levado o cardeal a considerar este assunto um magno problema em Portugal é um mistério, menor que o do natal, mas ainda assim um mistério.
Resumindo: o cardeal de Lisboa socorreu-se de lugares comuns para explicar o nascimento de Jesus à luz da actualidade, mas devia saber que, se nasceu numa manjedoira, não foi por não ter uma "casa digna".
Comparada com a mensagem de natal do primeiro-ministro (“a pobreza e a precariedade laboral são as maiores inimigas de uma melhor economia”), convenhamos que a do cardeal é de uma pobreza pouco digna.

domingo, dezembro 25, 2016

O medo dos juízes

 Há quem tema que Portugal se transforme numa república de juízes, dada a independência, auto-regulação e auto-controle de que aquela magistratura desfruta.

No entanto, não é esse o entendimento de cerca de 25% dos juízes portugueses que manifestaram a sua preocupação ao presidente da república, temendo perder alguma da sua autonomia pelas alterações da estrutra judicial introduzidas pelo Governo.
Pelo que se lê aqui, não parece estar em risco o princípio da separação de poderes, mais parecendo a iniciativa destes juízes uma tentativa de aumentar a sua autogestão corporativa.
Apesar de beneficiarem da autonomia atribuída ao poder judicial, os juízes, tal como outra qualquer classe profissional,  não podem sobrepor os seus interesses ao interesse geral. O poder dos juízes não é divino, é do povo,  e quem representa o povo é quem o povo elege, o que não sucede com os juízes.

Sempre que os interesses corporativos se sobrepõem ao interesse geral, a democracia fica mais pobre.

sexta-feira, dezembro 23, 2016

Um record da geringonça

Talvez seja uma prenda do Pai Natal: o deficit de 2016 vai ficar abaixo de 2,4 %. Um record conseguido apesar da devolução de salários e pensões.
Uma bofetada de luva branca para o senhor Wolfgang Schäuble, e respectivos lambe-botas deste país, que previram e desejaram a morte prematura de um governo escarnecidamente apelidado de "geringonça".

Este resultado demonstra que afinal há alternativa à Europa da austeridade e os que andaram, dia-sim dia-sim, a anunciar desgraças que nunca se confirmaram, não deviam ter lugar na política de um Portugal que se quer mais justo e igualitário.

Feliz Natal!

quarta-feira, dezembro 21, 2016

À tangente


Ainda assim, o Conselho considerou "pouco felizes" algumas declarações proferidas na entrevista.

Ninguém está acima da lei.

segunda-feira, dezembro 19, 2016

Boas Festas

 (Rua Augusta,Lisboa) 
Boas festas para quem nos visita 

domingo, dezembro 18, 2016

Drones, um perigo também no mar

Recentemente, um drone terá  afectado a segurança no aeroporto de Lisboa.
Ainda mais recente foi a captura algures no sul da China, em águas internacionais,  de um drone da marinha americana que na versão dos Estados Unidos se dedicava a recolher dados sobre a salinidade e transparência das águas ao largo das Filipinas.
Claro que a versão dos chineses é diferente, dando a entender que o artefacto se encontrava em águas chinesas, numa missão de espionagem.
Por enquanto o episódio não passa de um incidente diplomático,  mas  incidentes   mal resolvidos acabaram em guerras.

segunda-feira, dezembro 12, 2016

Passos e a CGD

A cada dia que passa, aumenta a certeza de que as investidas de Passos Coelho contra a Caixa Geral de Depósitos são meras tentativas para disfarçar a má gestão do seu governo, também no que se refere ao banco público. 


A ocultação destes factos e a correspondente inacção do governo PSD/CDS agravaram a situação da CGD e torna a oposição do PSD à recapitalização do banco não apenas incompreensível, mas uma autêntica traição.

Pompa e circunstância, e o reverso

Perante os representantes de quase duas centenas de países que integram a ONU,  António Guterres é hoje empossado como Secretário-Geral da ONU. 
Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa estarão presentes, representando os homens e mulheres deste pequeno país que deu novos mundos ao mundo  e ainda é uma referência civilizacional num mundo em crise de valores. 
Evitar a guerra e as suas catastróficas consequências continuará a ser a principal preocupação do novo Secretário-Geral, mas têm de se atacar as causas. 
As ditaduras que ainda vigoram em muitos países representados na ONU, são uma fonte de conflitos pela falta de liberdade  que impõem aos povos. Enquanto subsistirem, não haverá paz. 

quarta-feira, dezembro 07, 2016

Preocupação serôdia

Passos Coelho está muito preocupado com a Caixa Geral de Depósitos, mas já vem tarde. 
O governo PSD/CDS não se notabilizou pela transparência. Sempre preferiu o esconde, esconde...

Alguém se lembra dos Panamá papers?

Tal como fez com os "Panamá papers", em que a montanha pariu um rato, o Expresso está a fazer um estardalhaço com o "Football leaks".
Para já, é só conversa para vender jornais. 
Nos "Panamá papers" não passou disso...

segunda-feira, dezembro 05, 2016

Crime no cinema

A revelação causou estupefação: a actriz Maria Schneider foi violada por Marlon Brando numa cena do filme "O último tango em Paris", visto por milhões em todo o mundo.
Quem o afirmou foi o realizador do filme, Bernardo Bertolucci, que combinou a cena com Marlon Brando, mantendo a actriz de 19 anos na ignorância.

As motivações invocadas por Bertolucci são doentias e  escabrosas. Embora a vítima e o violador já tenham falecido, impõe-se a condenação póstuma do actor e do ainda vivo realizador.
Hollywood não pode ficar indiferente a este crime, retirando aos crminosos os prémios e honrarias que lhes tenham sido atribuídos. 

sábado, dezembro 03, 2016

As boas contas do PSD

Passos Coelho e a sua professora Maria Luís Albuquerque têm-se desunhado a propagar as boas contas do PSD. Mera demagogia.
Em Lisboa, foram os mandatos do PS que sanearam o descalabro provocado por mandatos laranja.
Em Vila Nova de Gaia, a dupla Luís Filipe Menezes  Marco António conseguiu o recorde da câmara mais endividada.
A actual gestão socialista acaba de divulgar que finalmente aquela autarquia saiu do buraco deixado pelos antecessores referidos.
As boas contas do PSD são uma grande treta.




sexta-feira, dezembro 02, 2016

Mais uma reposição

Comemorou-se ontem o  1º de Dezembro, dia da Restauração da Independência, numa cerimónia na Praça dos Restauradores organizada pela Câmara Municipal de Lisboa, a Sociedade Histórica da Independência de Portugal e o Movimento 1º Dezembro de 1640.

Passos já provou ser um tanto ou quanto adventício, mas arrastar o PSD para posições que podem ser confundidas com falhas de patriotismo é uma atitude irresponsável. 
Suspender o feriado da Restauração foi um erro crasso, que ontem mereceu censura severa do Presidente da República, militante e antigo Presidente do PSD. 
Recusar associar-se às comemorações, considerando o convite uma provocação, é um sintoma da má consciência que pesa na direcção do PSD, perante mais esta "reposição" do governo de António Costa, que vai repondo a normalidade no país e nas instituições . 
Ainda falta "normalizar" a CGD e Passos Coelho não se poupa a esforços para que tal não aconteça, aqui com a ajuda de Assunção Cristas.
Andar com o país para a frente com estes dois atrasos-de-vida  a puxar para trás, não é fácil, mas o patriotismo de Marcelo Rebelo de Sousa, mais o engenho e a paciência de António Costa fazem milagres.

quarta-feira, novembro 30, 2016

A menina pôs a pata na poça

Quem é de esquerda saudou os acordos entre o PS, PCP e BE, havendo quem lhe tivesse atribuído um significado histórico. 
Estes acordos não retiraram liberdade aos três partidos e aos seus deputados. No entanto, quando se constata uma votação em que o BE vota com o PSD e o CDS e em sentido oposto votaram o PS e o PCP, é caso para questionar a que se deve essa estranha aliança que isola o Bloco de Esquerda dos outros dois partidos que apoiam o governo. 

Quando BE apoia a direita contra o governo, está a torpedear o acordo. Ainda que o assunto não conste explicitamente na letra do texto acordado com o PS, os dirigentes do BE, sendo jovens, não podem ser tão ingénuos, pretendendo ignorar que estão a apoiar os opositores ao governo que eles supostamente apoiam.  

O objectivo do PSD e do CDS é fragilizar a Caixa Geral de Depósitos para a entregarem em saldo aos seus amigos ou ao capital estrangeiro. Ao votar conjuntamente com o PSD e o CDS, o Bloco de Esquerda comportou-se como um idiota útil. 


domingo, novembro 27, 2016

Às aranhas

"MP pede ao Parlamento dados sobre plano para controlar TVI"

"Aprovação em toda a linha", ou, os cães ladram e a caravana passa

 E passa com distinção, como sugere a sondagem aqui publicada que dá à actuação do governo uma maioria esmagadora de aprovações no que concerne à qualidade da governação, à estabilidade e expectativas da tal geringonça que se iria desconjuntar no primeiro obstáculo, nas previsões catastrofistas do PSD e do CDS.

Segundo esta sondagem, nem as ameaças do mafarrico do Passos Coelho, nem os histerismos de Assunção Cristas convencem os eleitores ou beliscam a geringonça.



Fidel Castro - 1926 - 2016

A morte física de Fidel aconteceu entre as dez e as onze horas da noite do dia 25 de novembro de 2016.
Politicamente já era um fantasma.

sexta-feira, novembro 25, 2016

"Disfuncionalidade cognitiva temporária"

Este secretário de estado é muito simpático: podia ter dito definitiva... 

Nem todos os dias 25 são iguais

Como diria George Orwell, alguns são mais iguais do que outros...
A democracia portuguesa foi marcada por dois dias 25: o de Abril, que acabou com a ditadura, o de Novembro, que supostamente evitou que se caísse noutra.
Passados mais de quarenta anos sobre estas datas, se quanto à primeira há um relativo consenso, quanto à segunda, as  divergências sobre as motivações e objectivos das forças que se confrontaram nesse dia ainda hoje se discutem.

No entanto,  o importante é celebrar a democracia em qualquer delas.
E a propósito, se as eleições fossem hoje...