segunda-feira, setembro 18, 2017

Chafurdar

Gostaria de começar esta frase escrevendo: "alguma imprensa gosta de chafurdar na imundice". Infelizmente não posso. Tenho mesmo de escrever: a maioria da imprensa gosta de chafurdar na imundice.

Poderia pensar-se que a imprensa se reporta à imundice dos outros, mas embora em certos casos isso possa ser verdade, noutros que não poucos, é a própria imprensa que cria os factos imundos ou lhes cola a imundice.

Fernando Medina terá trocado de casa, tal como terão feito milhares de portugueses. Medina, porém, é presidente da Câmara de Lisboa, vai candidatar-se a novo mandato e é do PS, o que para a imprensa controlada pela direita, a tal maioria, é razão suficiente para suspeitar de que a troca de casas não foi transparente. Inventar uma narrativa justificativa da sua própria invenção foi o passo seguinte. Que o resto da imprensa se fez eco da inventona também não surpreende.

Para os portugueses também já não é novidade que a imprensa está feita com os partidos de direita. criar e deturpar factos para prejudicar o governo e o PS é a sua principal função. O resto, ou seja, o jornalismo independente não existe em portugal. Está todo controlado. O seu engajamento à direita é público e notório.
A história da casa de Fernando Medina é apenas mais um exemplo de uma história intencionalmente mal contada.

sábado, setembro 16, 2017

Subir de nível

Portugal nunca foi lixo, mas os mercados só respeitam o capital  e atiram para uma lixeira que inventaram os países que passam por dificuldades. A partir desse momento abandonam-nos à sua sorte e tem de ser o FMI a recupera-los para que os investidores recomecem a conceder crédito a esses países.

Portugal já passou por esse calvário várias vezes - duas depois do 25 de Abril - e a última é bem recente. 
Sair da lixeira é uma benesse para os ministros das finanças que deixam de ter problemas para financiar o país. 
As declarações de António Costa e do ministro Centeno refletem isso mesmo. Já a afirmação de Passos Coelho, garantindo que se os portugueses o deixassem continuar a governar teríamos saído da lixeira há mais tempo, são fruto da dor de cotovelo que o aflige desde que foi corrido e merecem uma sonora gargalhada.
As políticas que obtiveram os resultados que permitiram subir o nível do país não são apenas diferentes das políticas que governo PSD/CDS impôs. São opostas...

Com Passos continuaríamos no lixo. Os portugueses perceberam isso ao recusar-lhe um segundo mandato.

quinta-feira, setembro 14, 2017

Jogo sujo

As eleições autárquicas estão à porta. Como habitualmente, espera-se que a lei seja cumprida e os portugueses votem macissamente.
Há no entanto algumas ameaças: pelo cumprimento da lei zelam os tribunais, que anunciaram fazer greve no dia das eleições... Seria a primeira vez que um órgão de soberania faria greve. Já imaginaram os outros órgãos de soberania, Governo, Presidente da República e Assembleia da República, fazerem greve? Um absurdo. 
Esperemos que o bom senso prevaleça também nos tribunais, como manda a tradição na justiça.

No futebol o bom senso é um bem mais escasso. O bom senso e o sentido de responsabilidade deveriam bastar para que a Federação Pirtuguesa de Futebol não marcasse jogos para os dias em que há eleições, mas parece que está à espera que o governo o proíba, pois refugia-se no vazio legal para justificar os jogos nesses dias. 
Talvez a imaturidade cívica na FPF obrigue o governo a decretar essa proibição, mas provavelmente não vai a tempo de evitar o "boicote" da FPF às próximas eleições autárquicas.
De boicote em boicote, a democracia lá se vai aguentando, mas não lhe fazem bem nenhum.
(Inspirado aqui)


terça-feira, setembro 12, 2017

Furto de Tancos

O hipotético desaparecimento de material de guerra armazenado em Tancos está a deixar muita gente nervosa.
Por enquanto, porém, este furto ainda não passou de um "alegado furto", a não ser que os nervosos do PSD/CDS e comentadores conexos tenham  acesso a informações que os investigadores desconhecem. 

Se um alegado furto, ou outro qualquer alegado acontecimento ainda não provado, faz rolar a cabeça de ministros, talvez vivamos num alegado estado de direito...

Alegar é fácil, provar é mais complicado. 

domingo, setembro 10, 2017

A negação da democracia


Que Passos Coelho está preso no labirinto que ele próprio criou, poucos duvidam. A sua substituição na liderança do PSD é tão previsível como a mudança de um treinador de futebol numa equipa que acumula derrotas. É dos livros.

Que haja comentadores que "não vislumbrem no PSD um único sucessor capaz", é revelador do enquistamento da direita do PSD, que Passos representa, pois, num partido com a sua dimensão, afirmar que não há alternativas à liderança equivale a uma negação da democracia. Há sempre alternativas, embora nem todas agradem a todos, mas a democracia é assim mesmo.

Os comentadores que querem "manter o PSD no espaço político que hoje ocupa" são os mesmos  que apoiaram a  política desastrosa quando governou e hoje suportam os muros do labirinto em que Passos Coelho se encerrou.
Tal como Passos e Cavaco, também eles questionaram a legitimidade da Assembleia da República para recusar  o governo minoritário da coligação PSD/CDS, em favor do governo do PS apoiado pelo PCP e BE. Questionam a democracia.

sexta-feira, setembro 08, 2017

Crime no Facebook

Aqui ao lado, em Espanha, uma mulher de 45 anos, uma senhora portanto, ficou assanhada com as declarações de uma deputada do partido  Ciudadanos e foi desabafar no Facebook:

Convenhamos qe ser violada por um grupo não é coisa que se deseje a ninguém.

Naturalmente arrependida, perdeu o emprego, é criticada por todos, arranjou um problema para si e para a sua família e não se livra de um processo por crime de ódio.

Os perigos do Facebook são vários, sobretudo para quem o usa para desabafar...


quarta-feira, setembro 06, 2017

Teorias de conspiração

Apagado o fogo, as atenções do PSD e do CDS voltaram-se para o dinheiro dos donativos, insinuando que o governo o terá desviado.
O governo esclareceu que só controla um fundo com cerca de 1,9 milhões de euros, muito longe dos 13 ou 14 milhões que a oposição de direita diz terem sido recolhidos.

Ao PSD e ao CDS só interessa a chicana política, esquecendo que os tais 13 ou 14 milhões que referem, a existirem, ainda não foram entregues ao fundo controlado elo governo. 
Uma coisa é pedir esclarecimentos, de preferência com bons modos. Outra, completamente disparatada, é começar logo aos tiros para o ar a ver se acertam em alguém.
(Às vezes, faz ricochete e acertam no pé...)


segunda-feira, setembro 04, 2017

Secundario

O desenvolvimento do país precisa de infraestruturas que dependem quase exclusivamente do investimento estatal.
Uma infraestrutura essencial, para o turismo e outros negócios, é o aeroporto de Lisboa que está a rebentar pelas costuras. 

Dado o elevado custo para os cofres do estado, conviria que as decisões relativas a estes investimentos fossem tanto quanto possível consensuais, evitando querelas que criam impasses e atrasam o desenvolvimento. Hoje ninguém discute a barragem do Alqueva, mas as discussões sobre a sua construção atrasaram vários anos a riqueza que trouxe ao Alentejo.

O consenso politico-partidario sobre as infraestruturas interessa ao país. Considerá-lo secundário é mais uma demonstração de irresponsabilidade política de Pedro Passos Coelho.

sábado, setembro 02, 2017

Incendiários

"A Moody’s subiu a perspetiva do rating da dívida pública nacional para positiva, da anterior estável, esta sexta-feira. O rating mantém-se no patamar de ‘lixo’, em Ba1. A agência de notação financeira é, assim, a segunda a dar este passo, depois de Portugal ter saído do Procedimento por Défice Excessivo (PDE)."

Cavaco Silva foi a Castelo de Vide ensinar aos jovens do PSD como se deturpa a realidade.

De seguida foi lá Paulo Rangel, que, à falta de bons argumentos, atiçou, mais uma vez, o fogo de Pedrogão Grande contra o governo.

Cavaco e Rangel não suportam a melhoria do país conseguida por um governo que desmontou a TINA (There is no alternative), a maior mentira política  imposta ao país pelo PSD com o apoio da direita europeia.

Incapazes de conviverem com esta realidade,inventam uma realidade paralela, o que agrava ainda mais o estado de negação patológico em que caíram. 

O país já os conhece e, tirando o séquito que padece do mesmo mal, têm cada vez menos audiência.