terça-feira, março 10, 2015

As (des)culpas de Cavaco


Tal como agora em Belém, também quando foi primeiro-ministro Cavaco Silva se rodeou de lambe-botas cuja função principal  foi ritualizar  o culto de personalidade do "chefe".
O afã desses yes-men era tal que um deles teve a lata de afirmar  que Aníbal Cavaco Silva nunca tinha dúvidas e raramente se enganava, uma boutade que tropeçou a cada passo na realidade. 

De facto, apesar de habitualmente resguardado na torre de marfim em que se esconde, nas raras vezes que desce à terra,  Cavaco costuma pôr a pata na poça.
Foi o que sucedeu na reunião da CPLP em que Cavaco envergonhou o país, aprovando a adesão da Guiné Equatorial. 

No entanto, viu-se obrigado a justificar o seu voto nos "Roteiros" - a colectânea onde tenta refazer a história da sua passagem pela presidência - justificando o voto contra-natura  com complexos coloniais e pensar que doutro modo prejudicaria a imagem de Timor que presidia a CPLP.


Para quem tem o desplante de exigir experiência diplomática ao seu sucessor, apetece dizer que não se enxerga.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial