domingo, setembro 20, 2015

Guerra aberta

A campanha é uma guerra sem quartel entre a coligação PSD/CDS e o Partido Socialista.
Dos outros partidos concorrentes a estas eleições pouco se fala, apesar dos esforços dos respetivos dirigentes na procura de visibilidade.


Muito do que acontece é só ruído, sobretudo por parte da coligação de direita que usa e abusa do populismo e da desinformação. Vale tudo, até citar Álvaro Cunhal, que sempre combateu a direita e lá onde se encontra deve ter engolido mais um sapo ao ser (ab)usado por Paulo Portas.

1 Comentários:

Às 20/09/15, 08:04 , Blogger Célia disse...

O Paulo Portas, aliás a coligação, sente as costas quentes porque a CDU foi há 4 anos, e continua a sê-lo, uma parceira na luta conjunta contra o PS que reúne à esquerda e à direita estes inimigos comuns.
A desfaçatez da figura não tem limites! Diz ele, com aquele ar de pose, artificial e de respiração suspensa, que o PS desmantelou os apoios sociais!
Não vejo figuras do PS a desmontar estas atoardas, mas apenas António Costa aqui e além a tentar apagar fogos. Não vejo, nem ouço contraditórios aos "comentadeiros" políticos televisivos. Exceto praticamente Santos Silva que, pela escrita, é mais veemente, mais assertivo, pouco mais vejo no terreno.
Sinto que António Costa está muito só em cena.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial