quinta-feira, abril 23, 2015

A força da escrita

Quando se escrevem, as palavras ganham vida e seguem o seu próprio caminho. 
Este governo fala muito mas escreve pouco, doutra forma o primeiro-ministro não poderia mentir tanto.
Desde que António Costa foi eleito líder do PS, não passou um dia sem que alguém da maioria que malogradamente nos governa viesse acusá-lo de não ter ideias nem programa. 
Farto de conversa fiada, António deixou-os falar e foi trabalhando no que realmente interessa ao país.

Por fim apresentou um documento de médio-longo prazo com substância e realismo, deitando por terra o palavreado radical deste governo que alcançou o poder anunciando um programa e governou com outro.

As reacções do PSD e do CDS, que apenas têm eco no séquito de comentadores que apoiaram as desastrosas decisões do governo, são a prova de que o documento consubstancia uma proposta realista de desenvolvimento do país, ao mesmo tempo que desmascara a ineficácia da política de austeridade seguida nestes quatro anos.

É esta a alternativa que o pais precisa para sair do  pântano em que esta maioria o mergulhou.


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial