segunda-feira, abril 06, 2015

Pois basta




",,,Como sempre sucede em Portugal, depois de um “escândalo” com um ministro, embora o escândalo fosse há anos público e notório, o prof. Nuno Crato mandou abrir um inquérito à Universidade Lusófona. E esse inquérito apurou que em 152 casos – um número extraordinário – os diplomas daquela augusta casa não deviam ser considerados válidos, por erro na avaliação de “equivalências” várias. Sobre isto, que deixa ver como funciona e para que serve a “Lusófona”, cresceram e floresceram as “praxes” que levaram aos seis mortos da praia do Meco, com absoluta ignorância da gente em posições de autoridade, a quem incumbia garantir a saúde e a segurança das crianças (porque eram crianças) que lhes tinham confiado. O prof. Crato devia fechar imediatamente a Lusófona e entregar o caso à Procuradoria-Geral da República. Basta o que basta. Principalmente para um Governo que não se preocupou de mais com a observância da lei e a limpeza cívica."

2 Comentários:

Às 06/04/15, 12:38 , Anonymous Abraham Studebaker disse...

Queriam ver-me a concordar com o inefável Vasco? Pois chegou a hora! Cadeia com essa canalha corrupta dos canudos e das praxes!

 
Às 06/04/15, 20:08 , Blogger lino disse...

Duas coisas:

1) As origens do actual ISEG remontam a 1759, integrando a Universidade Técnica de Lisboa em 1930;

2) No meu curso, que decorreu entre 1975 e 1980, nenhum dos alunos que acabaram o curso nos 5 anos teve as notas referidas por VPV.

O VPV não sabe o que escreve!

Abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial