quarta-feira, novembro 25, 2015

Azias

Começou por ser um termo médico para significar acidez no estômago. Porém, é cada  vez mais usada  no futebol para caracterizar a frustração dos adeptos quando a sua equipa perde.
Ainda não tinha chegado ao vocabulário político, onde se preferia o mais subtil "habituem-se" para aferroar o mau perder dos adversários.

No entanto, a recente crise política - patrocinada pelo Presidente da República por querer manter no poder uma coligação sem apoio parlamentar - provocou uma epidemia de azias que ameaça alterar a costumeira brandura que nos define.

Incentivados pela inexplicável resistência de Cavaco  Silva à indigitação de António Costa para primeiro-ministro, Passos Coelho e Paulo Portas desdobraram-se em ameaças tremendistas por terem sido impedidos de governar pelo único poder que constitucionalmente o pode fazer, o Parlamento.

Ao criticarem desbragadamente a decisão da Assembleia da República, tanto a direita  como os comentadores que nos  últimos quatro anos lhe desculparam o desemprego, o colossal aumento de impostos, a emigração em massa da nossa juventude, a perseguição aos idosos e demais atrocidades infligidas pela coligação PSD/CDS ao nosso povo, revelaram a cariz antidemocrática e antipopular que os norteia. 
As suas ameaças e maus presságios são corriqueiras manifestações de mau perder. 
Simplesmente azia.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial