domingo, janeiro 22, 2017

"Veremos qué hace"

Prudente mas atento, o Papa Francisco prefere esperar para ver o que faz Donald Trump. No entanto alerta que, em momentos de crise não é o discernimento que comanda os povos: preferem apostar em salvadores que lhes devolvam a identidade com muros e arames.

A avaliar pelo discurso da posse, a hipótese de Trump acabar por surpreender o papa pela positiva seria um milagre. Ao principio também ninguém acreditava que Hitler - o exemplo mais radical do populismo - fosse capaz de fazer o que fez. 
Embora a constituição de Estados Unidos e o povo americano tenham uma tradição democrática, vamos ver como as primeiras decisões do novo presidente são avaliadas pelo Congresso e se as palmas que aplaudiram o discurso foram de mera circunstância.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial