segunda-feira, setembro 19, 2005

Escândalos de fariseu

A reacção da oposição (esta ou outra) pela indicação de elementos da simpatia do governo (este ou outro) para cargos de nomeação governamental é pura hipocrisia.

Se os governos nomeassem pessoas de outros quadrantes é que seria de estranhar. É para isso que se disputam eleições e só assim se pode responsabilizar quem as ganha. As nomeações de elementos não conotados com os governos aliviam a responsabilidade destes e são peias para a oposição.

Só num país onde os aparelhos partidários se viciaram na repartição do bolo orçamental é que isso tem foros de escândalo.
Distribuir benesses por clientelas da oposição, além de ter o efeito de as amansar, são facadas na democracia.

Até José Pacheco Pereira, defensor da ética política e habitualmente com ideias claras sobre o que convém à democracia, engrossou o coro farisaico que acompanhou as últimas de nomeações do governo (Tribunal de Contas e Galp).

Se os cargos a preencher são de confiança política, que se nomeie quem simpatiza com o governo. O contrário é promiscuidade corporativa.

Porém, se os cargos não preenchem os requisitos da confiança politica, que se retire a competência da nomeação aos governos, a bem da transparência.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial