sexta-feira, novembro 16, 2012

“E da próxima vez será pior”

Da CGTP ao Ministro da Administração Interna, de António José Seguro a Cavaco Silva, ninguém poupou na água benta para limpar as nódoas que um olhar mais rigoroso pudesse descortinar na carga policial sobre os manifestantes de S. Bento.
Porém, como ontem já alertei, nestes casos, ninguém fica bem na fotografia, e os relatos sobre excessos policiaisdetenções ilegais, já se fazem ouvir.
De facto, aguentar o apedrejamento até esgotar as pedras da calçada, só pode considerar-se  uma  “actuação adequada”  a desculpar a reacção que se seguiu.
Se os polícias fossem bombeiros saberiam que é mais fácil dominar um incêndio quando começa, pressupondo que o querem apagar...

1 Comentários:

Às 16/11/12, 11:24 , Blogger J. Cosme disse...

Muito bem observado:"é mais fácil dominar um incêndio quando começa, pressupondo que o querem apagar...".
Por mero acaso, encontrei-me no centro do furacão, do qual escapei por uns 2 ou 3 minutos.
O espetáculo oferecido de borla por umas dúzias de miudos não é abonatório nem para eles, nem para a polícia.
Para eles, porque ninguém os leva a sério, apesar de todas as razões de queixa que possam ter da democracia que lhes deixámos.
Para a polícia, porque o que se seguiu e que as televisões já não mostraram não abona a favor da paciência e do patriotismo das forças de segurança.
É certo que a atuação da polícia está a séculos de distância das intervenções do grupo terrorista de outros tempos, chamado "polícia de choque". Mas a caça ao "terrorista" que se seguiu à performance televisiva e que levou a polícia a interpelar dezenas de pessoas a 2/3 kms de distância dos acontecimentos também não abona nada a seu favor, nem nos deve deixar tranquilos quanto a futuras ações intimidatórias.
Tanto mais que a mais violenta reação vai verificar-se quando os pacatos cidadãos tiverem entre mãos o recibo de vencimento do próximo mês de fevereiro.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial