sexta-feira, maio 09, 2014

Copy-paste de coisa nenhuma


O governo tenta disfarçar, mas os ministros andam todos numa fona, tentando apresentar serviço  a tempo das eleições europeias.
O documento "final" para a reforma do estado é um bom exemplo disso, mas a superficialidade do seu mentor, o irrevogável Paulo Portas, condiciona o trabalho sério que o documento exige. 

Paulo Portas é um artista da improvisação. Pega numa folha A4 e faz uns rabiscos. Os assistentes que façam o resto. Porém, como os seus assistentes são da mesma escola, fica tudo ela rama e o resultado é o amontoado de ideias gerais e lugares comuns a que pomposamente chamam ""documento final com orientações para a reforma do Estado".
Uma inutilidade. 

1 Comentários:

Às 09/05/14, 23:18 , Blogger J. Cosme disse...

Inutilidade não será.
São quase 200 páginas A4 que podem ser muito úteis para limpar a saída da troika. Isto é, a cloaca dos exploradores dos países pobres da Europa.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial