quinta-feira, dezembro 11, 2014

Ao sabor das conveniências


Todos se lembram da descasca que a ministra das finanças deu ao governador do banco de Portugal, quando depôs na Comissão de Inquérito ao BES, atirando para cima de Carlos Costa toda a responsabilidade do processo que culminou com o desmantelamento do maior banco privado português.

Posteriormente, Passos Coelho, quiçá "iluminado" por alguma estrela de Belém, veio publicamente atirar todas as culpas para a administração do BES, ilibando totalmente Carlos Costa da trapalhada que arranjou.

Esta intervenção de Pedro Passos Coelho consubstancia em si mesma uma violação grosseira da constituição por condicionar e interferir nos trabalhos de uma Comissão de Inquérito   da Assembleia da República. 

Que o PSD mude de posição, conforme os ventos que sopram de Bruxelas, de Boliqueime, ou do Funchal, não é propriamente uma surpresa. 
Porém, quando um primeiro-ministro pressiona o julgamento de uma comissão de inquérito da Assembleia da República, está a invadir as competências de outro órgão de soberania, e é a própria democracia que está em causa.

Convocar eleições, é uma questão de sobrevivência.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial