sexta-feira, janeiro 16, 2015

O argumento do secretário de estado

Ontem, na SIC Notícias, um secretário de estado do ministério da economia defendeu a privatização da TAP, sendo o principal argumento a seguinte balela:

Como o estado não pode capitalizar a TAP, vende-se, porque quem a comprar  vai investir na transportadora aérea nacional "porque pode".

Além de falsa, esta balela é demagógica.  De facto, está por demonstrar que o estado português esteja totalmente impedido de reforçar o capital da TAP.  Por outro lado, das experiências de anteriores privatizações conclui-se que, mal as empresas lhe caiem nas mãos, os novos donos aumentam os preços e descapitalizam-nas. 
O exemplo da Portugal Telecom, cujo valor é quatro vezes menor do que há vinte anos, será talvez  o mais trágico, mas que dizer da ANA, que não para de aumentar as taxas dos aeroportos sem que  se descortinem os investimentos?

Em vez de defender o interesse nacional, este governo actua como agente do capital estrangeiro a quem entrega as empresas essenciais ao desenvolvimento do país, e, perante o descalabro que lhe sucede, lava cinicamente as mãos dizendo que não tem qualquer responsabilidade, como está a acontecer com a PT.

Os factos demonstram que as privatizações não baixaram os preços aos consumidores, enfraqueceram a economia do país e diminuíram o valor das empresas.
Ficamos muito mais pobres. As privatizações só servem para encher os bolsos a quem compra as empresas.

1 Comentários:

Às 16/01/15, 14:00 , Anonymous jose neves disse...

Caro,
A PT hoje, passado um ano e meio, não vinte, vale 20% (um quinto) do que valia.
Uns meses antes de 2013 as acções valiam cerca de 3,6 euros e hoje valem 0,7 euros.
Se se fizer um estudo sério sobre a riqueza de Portugal antes e depois deste governo, estou convencido, que estaremos com números semelhantes ou piores que no caso PT.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial