sábado, fevereiro 06, 2016

A TINA e a TIA

Corre por essa Europa um terrível medo e não estou a falar do terror do estado islâmico.
Desde a crise de 2008, que a direita europeia aproveitou para tomar o poder na Comissão e demais instituições da U. E., a ideologia do empobrecimento como forma de reabilitar os países em dificuldades assumiu foros de verdade axiomática: A famosa TINA (there is no alternative), que fez escola no jornalismo português,  ridicularizando quem se atrevia a apontar alternativas à política de austeridade, mesmo que fosse alguém com um prémio Nobel  de economia.

A teoria de que o povo desses países vivia acima das suas possibilidades justificou os cortes de salários e o fim de muitos benefícios sociais. A economia dos países intervencionados recuou décadas com os programas que supostamente a iriam recuperar.

Entretanto, pode parecer que a TINA perdeu adeptos, mas não se iludam. A euforia com que a direita portuguesa secundou os "avisos" com que a Comissão Europeia pressionou o governo português no processo do orçamento para 2016, denuncia que os abutres apenas espreitam a oportunidade para voltarem a atacar. 

E, no entanto, enquanto esperam, não conseguem disfarçar o terror porque António Costa teve a coragem de substituir a TINA pela TIA (There is alternative). 





1 Comentários:

Às 06/02/16, 14:58 , Blogger J. Cosme disse...

Digam-me, por favor, se encontram alguma diferença entre estes ultra-direitistas portugueses e os "patriotas" Miguéis de Vasconcelos que se colaram aos Filipes.
É que se há diferenças são para pior.
Espero e desejo que tenham o mesmo fim.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial