sexta-feira, agosto 28, 2015

O partido do chefe


O PSD sempre foi o partido do chefe. No panorama partidário português, o caudilhismo do PSD não tem paralelo,  e nem o monolitismo do PCP se compara ao "ducismo" herdado de Sá Carneiro. 
Vem isto a propósito da debandada dos potenciais candidatos presidenciais do PSD - Rui Rio e Santana Lopes, até ver - que denuncia um estranho temor em defrontar Marcelo Rebelo de Sousa que, se não os conhecêssemos, julgaríamos  ser cobardia.

Mas não é. Para além da "ordem" dada pela direcção, "proibindo" a apresentação de candidaturas presidenciais antes das eleições legislativas, a unidade da coligação que nos governa está colada com cuspo e não aguentaria ver dois ou três candidatos da sua área ideológica a digladiarem-se  diariamente durante três meses.

Por isso, o intrépido Santana meteu a viola no saco e e deixou de ser candidato presidencial ainda antes de o ser. 
Rio ainda corre, mas não se sabe se chegará a outra  Foz que não a do Porto. 

1 Comentários:

Às 28/08/15, 15:32 , Anonymous Anónimo disse...

MARCELO..OU BARROSO. SEI EU LÁ...

AGORA QUE A MALTA DO BLASFÉMIAS NUNCA PERDE A OPORTUNIDADE DE DEFENDER O MAOISTA...

VERDADE SEJA QUE TÃO TRISTE CHERNE É DIFÍCIL DE VENDER, MESMO EM ÉPOCA DE PROMOÇÕES. SERIA PRECISO QUE DO OUTRO LADO O/A OPONENTE AINDA FOSSE PIOR. QUER DIZER, A MARIA ATÉ QUE SERIA AINDA MAIS DESENXABIDA. TALVEZ ISSO EXPLIQUE ALGUMAS âNSIAS DEVOTAS. APETITES DE GRÁVIDA.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial