segunda-feira, fevereiro 08, 2016

A mentira da social-democracia

Às vezes, bastaria não ser mentiroso, mas, sem a mentira, não seria a mesma coisa, ou seja, a direita não seria de direita.
A mentira é a coluna vertebral da ideologia da direita portuguesa. Os honestos que por lá andam, não aguentam e, tarde ou cedo, acabam por seguir outros caminhos.

Quando Passos Coelho, o homem que conseguiu pôr o PSD à direita do CDS, se recandidata à liderança com o slogan "social-democracia sempre" está a lembrar aos militantes a mentira do fundador, Sá Carneiro, que inventou essa mentira para enganar a Internacional Socialista, o que não conseguiu. Desde então, de cada vez que um lider do PSD se reclama social-democrata, está apenas a repetir a mentira fundacional do partido.

Se fosse apenas essa "a mentira" do PSD, sendo sintomática, seria apenas ridícula. O problema é que uma mentira nunca vem só e os últimos quatro anos mostraram que a mentira é a pedra basilar da sua ideologia, disputando taco a taco com o CDS a liderança do campeonato dos mentirosos.
Na campanha destes partidos contra o orçamento de 2016 ainda não se ouviu uma verdade. Comparar a austeridade fiscal deste orçamento com qualquer outro orçamento dos últimos quatro anos é comparar a rua da Betesga com a avenida da Liberdade.

1 Comentários:

Às 08/02/16, 22:04 , Blogger J. Cosme disse...

Quem foi que disse, em entrevista a Expresso em 2011, que a "social democracia é um resquício histórico no seio do PSD"???
Quem foi, quem foi? Pois é esse mesmo: o pantomineiro-mor desta direita aldrabona, incompetente e pobre de espírito.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial