quarta-feira, junho 13, 2018

Guerra civil

Sou simpatizante do Sporting clube de Portugal. Nunca fui sócio e nunca assisti a um jogo de futebol no actual estádio de Alvalade. 
O meu sportinguismo é uma emoção distante, consequência de  um cromo  do Albano  que vinha no rebuçado que comprei ao ir para a escola.
Se bem que nunca tenha visto jogar o Albano, nem qualquer outro dos cinco violinos, a simpatia ficou e a crise que atingiu o clube, na sequência do acto de terrorismo ocorrido nas instalações da Academia de Alcochete, não me é indiferente,  embora, não sendo sócio, pouco mais possa fazer do que manifestar a minha indignação perante a incapacidade dos órgãos sociais do clube em responder àquela situação.

Não sei se o presidente do conselho directivo esteve conluiado com os cabecilhas da emboscada de Alcochete, como parece transparecer do despacho do juiz do tribunal do Barreiro que decidiu a prisão preventiva para os supostos líderes organizadores do ataque.

Porém, todas as suas intervenções posteriores foram no sentido de culpabilizar as vítimas - jogadores e equipa técnica -, desculpando implicitamente os agressores. Bastaria o facto, inquestionável, de que o ataque foi preparado e perpetrado por elementos próximos de instituições apoiadas pelo clube (Juve Leo) para o presidente pôr o lugar a disposição.

Bruno de Carvalho não percebeu nada disso e,  ao tentar manter-se a qualquer custo no cargo, desencadeou uma guerra civil a que só a sua demissão pode pôr fim.
Ontem já era tarde.



Em tempo: está provado que as tropelias de Bruno de Carvalho não lhe grangeiam amigos. 
E, no entanto, os jogos de sombras de quem lidera a oposição  indiciam o temor de que o actual presidente se recandidate. Porque será?...

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial