quarta-feira, setembro 02, 2015

O imbróglio do governador


Há um ano, o governador do banco de Portugal surpreendeu o país ao dividir o Banco Espírito Santo em dois: um "banco mau", constituído pelas dívidas e sequelas dos maus negócios da sua administração, e um "banco bom", agregando o património, depósitos e créditos sobre terceiros.
O velho Banco Espírito Santo passou a ser o "banco mau". Ao "banco bom" chamaram Banco Novo.

Apesar de ter ficado com a parte boa do BES, o Banco Novo recebeu 4900.000.000 (quatro mil e novecentos milhões) de euros do Fundo de Resolução, montante que, segundo garantia do governo, nunca afetaria os contribuintes. Como o Fundo de Resolução não tinha tamanha verba,  já se vê donde saiu o dinheiro. Caiu do céu...

Desde o principio ficou claro que o Banco Novo era para vender, destinando-se o valor da venda a amortizar a verba falsamente retirada do Fundo de Resolução.
Embora os concorrentes à compra do Banco Novo nem sequer se tenham aproximado daquela verba, o governo, como é seu timbre, está a pressionar o Banco de Portugal para vender o banco de qualquer maneira antes de começar a campanha eleitoral, antevendo-se mais um negócio ruinoso para o país.

Apresentada como uma boa solução para o colapso do grupo Espírito Santo, o processo de extinção do BES  - foi disso que se tratou - nunca foi consensual nem pacífico, e não melhora com o tempo.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial