segunda-feira, janeiro 29, 2018

A justiça e a luta partidária.

Ninguém de boa fé e em seu perfeito juízo acredita que o ministro Mário Centeno, ou  qualquer outro, se deixaria corromper por dois bilhetes para um jogo de futebol.

Por ocupar os recursos a caçar gambuzinos é que provavelmente o Ministério  Público  fica sem os meios para atender a outros casos como os de violência doméstica, de cuja falta se socorreu o presidente do sindicato dos magistrados do MP para justificar o não atendimento da queixa da mulher que trinta e sete dias depois foi morta a paulada pelo marido (ver post  anterior).

Toda a gente sabe que a direita aposta desde início no ataque a Mário Centeno para desgastar o governo. Com uma política diametralmente oposta à seguida pelo governo PSD/CDS, este ministro das finanças pôs a economia a crescer, o desemprego a baixar, a dívida a diminuir, levou as exportações acima de  40% do PIB e ainda ganhou prestígio para a Europa o querer a presidir ao Eurogrupo.

Tal sucesso tornou-se intolerável para a direta portuguesa que em vez de apresentar propostas credíveis para virar o eleitorado a seu favor, apostou tudo na vinda do Diabo. Como o Diabo não se prestou ao frete, virou-se para a Justiça que, estranhamente, parece disposta a fazer o papel do mafarrico.

Com tanto diabo à solta, pode parecer um auto de Gil Vicente, mas neste caso não é ficção e quem se queima é a democracia.

1 Comentários:

Às 29/01/18, 20:13 , Anonymous Anónimo disse...

golo !

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial